Sobrevivendo ao inferno

18_12

Por em 1 de fevereiro de 2018

Muitas coisas podem ser consideradas inferno desde que o oprimido sofra bastante, pois bem, sobre a minha atual situação digamos que estou literalmente fazendo parte da horda de desgraçados que preenche este temido lugar. Hoje a ocasião parece um tanto corriqueira, parece que os demônios estão trazendo algo novo, mas para mim é um objeto bem mundano.

Estou preso nesta cela de cabeça erguida desconfortavelmente levantada para cima, um ferro que se prende ao meu pescoço não permite que eu o mova para nenhum lado que eu queira, um balde de ácido costumeiramente cai a cada minuto sobre a minha face, pingos  lentos e irritantes, a cada pingo que cai sobre meu rosto sinto a minha pele rasgando e a substância mergulhando no interior do meu crânio. Eu não sei se chamaria isso de bom, mas chega um ponto que eu literalmente morro, porém após segundos de alívio sentido o vazio começa tudo novamente como se fosse um “LOOP” temporal infinito.

Em meio a tantos gritos e cenas pavorosas: homens nus, cabeças cortadas dentro de panelas sendo fervidas em um grande caldeirão onde jorrava o sangue quente dos desgraçados, mulheres sendo estupradas por demônios, crianças sem olhos comendo fezes, entre várias outras cenas que provavelmente você chamaria de atrocidade. Mas o que reles mortais podem fazer? Afinal de contas todos esses procedimentos são justos para todos que são julgados nos portões da primeira prisão.

Talvez você tenha ficado curioso e queria saber como funciona o julgamento aqui no inferno, irei contar-te: quando eu cheguei aqui  vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença esmagadora fugiram a terra e o céu. Eu vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono, e abriram-se uns livros, e abriu-se outro livro, que é o da vida, e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas façanhas realizadas em vida. O mar entregou os mortos que nele havia, como se a natureza existente na terra conspirasse contra a humanidade e nos condenassem como maus viventes indignos de possuir vida, e a morte e o além entregaram os mortos que neles havia e todos foram julgados, cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E todo aquele que não foi achado inscrito no livro da vida, foi lançado no lago de fogo.

O cenário aqui é desolador, a terra é seca e sai morte a todo instante, as pobres almas que são lançadas nesse desespero caminham por horas em meio ao nada sob o sol escaldante onde espinhos grossos saem da terra em direção aos corpos fracos os empalando um a um, e quando acontece tal desgraça as pobres almas infernais são recolocadas novamente no início da jornada para que sofra eternamente o mesmo destino infinitas vezes.

Parece que agora é a minha vez, chega uma horda de demônios ao meu encontro e consigo trazem arames farpados e cavalos negros zumbis, as gotas de ácido continuam caindo sobre minha face, já nem consigo me lembrar quantas vezes eu já perdi a consciência e voltei novamente a esse estado lamentável. Finalmente eles me tiram do laço ferrenho que me atrelava a um embate infinito entre a vida e a eterna morte se é que posso me expressar dessa maneira.

Neste momento eles enrolam a minha cabeça com arame farpado e também os outros membros do meu corpo amarrando todas as cinco partes em diferente cavalos em alternadas direções. E é nesse momento que mais uma etapa do meu castigo se desenrola em meio ao sangue, dor e desespero, logo: a minha cabeça se parte em dois, todos os meus membros são violentamente rasgados do meu corpo e magicamente sendo reconstruídos fazendo com que eu volte novamente para a mesma cena de terror infinitas e infinitas vezes.   


Esta obra é de propriedade intelectual do Clã do Terror. É proibida sua reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização.

              

Related Post

Comentários

Comentários

Estudante de Licenciatura em Educação com habilitação em Matemática, nasci no mês de janeiro no dia 26 do ano de 1995. Tenho várias peculiaridades, porém uma das mais sociáveis é essa vontade gritante de escrever e compartilhar fantasias e criatividades.

Aumente seu conhecimento! Leia:  Meu Anjo – CreepypastaBr – Shadow Author #8


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Gostou? Então Compartilhe o conhecimento :)

  • Facebook
    Facebook
  • YouTube
    YouTube
  • Instagram
  • Pinterest
  • Google+
    Google+
    http://www.cladoterror.com/2018/02/01/sobrevivendo-ao-inferno">
  • Follow by Email
  • Twitter